fbpx

Saúde / Estamos contra a privatização do Hospital Municipal do Campo Limpo

Após aprovar fim da Autarquia Hospitalar na Câmara, gestão Bruno Covas (PSDB) quer acelerar privatização dos hospitais

A notícia pegou o conselho gestor e o movimento de saúde da zona sul desprevenidos, mas já era até esperada. A gestão Bruno Covas (PSDB) anunciou a entrega da administração do Hospital do Campo para a Organização Social (OSs) vinculada ao Hospital Albert Einstein.

A informação ainda não oficial, dá conta de que o Hospital, considerado o maior equipamento municipal deste tipo na periferia, deixará de ser administrado de forma direta pela Prefeitura a partir de 1º agosto.

Tanta pressa da gestão Covas não tem explicação, e está provocando reações. No final de junho, a Câmara Municipal aprovou o Projeto de Lei nº 749/2019 e em pleno auge da pandemia da Covid-19. Com tramitação a toque de caixa, o projeto extinguiu a Autarquia Hospital Municipal (AHM). Com isso, abriu caminho para a privatização dos 11 hospitais municipais.

O novo gestor do hospital não tem bom histórico na administração de unidades do SUS (Sistema Único de Saúde) na zona sul. Em junho os movimentos de saúde da região conseguiram reabrir a porta da UPA Campo Limpo para atendimento, mas a porta do Hospital M`Boi Mirim permanece fechada. Os dois equipamentos são geridos pela OS do Einstein.

Em reunião realizada em 9 de julho, o Conselho Gestor do Hospital Campo Limpo deliberou por 14 votos favoráveis e quatro abstenções suspender a transferência. Ressalte-se que as decisões dos conselhos gestores têm caráter deliberativo e não consultivo,

Apesar deste fato, o conselho também resolver encaminhar decisão ao Ministério Público, ao Conselho Municipal de Saúde e ao Tribunal de Contas (TCM) pedido para averiguar a situação e que este também suspenda o processo de transferência até o fim da pandemia do coronavirus.

Ainda na próxima terça-feira, dia 14 de julho, às 10h, será realizado ato público contra a terceirização em frente ao hospital.

Com 30 anos de existência, o Hospital do Campo Limpo é carente de investimentos. Mesmo assim recebe de portas abertas pacientes dos equipamentos de saúde do Campo Limpo, Paraisópolis, parte do Capão Redondo e M`Boi Mirim (Jardim São Luiz) e também a procura diretamente por atendimento no seu Pronto Socorro.