fbpx

Opinião / Esperamos senso de justiça e não ódio nas ações policiais

De onde vem tanto ódio? Não cabe aqui questionar se o jovem estava certo ou errado. O fato é que o jovem estava rendido.

Segundo nossa Constituição, ninguém é culpado até prova em contrário. A presunção da inocência é parte da garantia constitucional de todo cidadão.

Para isso existe toda uma estrutura judicial e instauração de processo para condenar ou inocentar, sempre com as devidas provas.

E a polícia é parte desta estrutura judicial. No entanto, quando esse ciclo se rompe e quem deve fazer o importante papel de prestar segurança, mas decide fazer justiça, o problema passa a ser gravíssimo, como mostra esse vídeo.

Nas imagens, que foram captadas por pessoas, policiais recheados de ódio descontam tudo que podem em alguém rendido, indefeso, impotente.

Nestes homens, travestidos de “justiça” enxergamos apenas ódio e não o esperado senso de justiça que cabem a quem usam fardas.

Esse não é o senso de justiça com o qual a Polícia Militar do Estado de São Paulo é formada e deve guiar suas ações. Esses não são os policiais que a sociedade precisa nas ruas para nos proteger.

Ainda na sexta-feira, PMs foram flagrados espancando um homem negro em Barueri. O detalhe é que o homem já estava algemado e rendido. Truculência sem limites.

Pessoas que presenciaram as agressões tentaram intervir e também foram violentamente agredidas. Segundo relatos, a cena foi muito semelhante a que ocorreu com George Floyd. Essa violência desmedida gerou a onda de protestos nos EUA e em várias partes do mundo.

Por que a polícia está tão violenta? Com certeza, esses fatos são reflexos das incompetências do governo nacional e estadual. Ambos são descompromissados com os direitos humanos.

Eles alimentam ódio e indiferença diária. E o pior. Deixam grandes rachaduras nas estruturas éticas daqueles que prestam serviços para o estado.

Tudo isso se traduz em números. Segundo o Fórum Brasileiro de Segurança Pública, o número de pessoas mortas por policiais militares e civis no Estado de São Paulo cresceu 31% entre janeiro e abril deste ano quando comparados com o mesmo período de 2019.

É um dado alarmante. Por isso, pedimos uma rápida ação da Secretaria Estadual da Segurança Pública do governador João Dória e os órgãos competentes do município para apurar e punir os responsáveis por essas descomunais violências contra pessoas indefesas.

Com certeza o Condepe (Conselho Estadual de Direitos da Pessoa Humana) está atento a escalada da violência policial.

Precisamos de justiça para ter segurança. E não de justiceiros travestidos de justiça para criar medo e insegurança.