fbpx

Covid-19 / Juliana Cardoso antecipa ações para combater violência a mulher, durante isolamento

Não está fácil a realidade da mulher em meio à crise do Coronavírus.

Nesta semana, a ONU apresentou um documento que aponta que a mulher é quem mais vai sofrer por conta do isolamento social por conta da violência psicológica e física. A violência já está em franco crescimento, a Justiça do Rio de Janeiro, por exemplo, registrou um aumento de 50% nos casos de violência doméstica durante o período de confinamento para evitar a disseminação do novo coronavírus. O dado foi revelado já na última segunda-feira (23), quando não existia nem uma semana de isolamento.

Diante desse cenário, decidimos entender como estão as coisas em nossa cidade.

Enviamos um oficio solicitando esclarecimentos à Secretaria de Desenvolvimento Humano, sobre como estão as ações que coíbem o aumento desta violência, por parte da Prefeitura de São Paulo.

Pedimos os seguintes esclarecimentos:

1)        Se a SMDHC tem estabelecido contato com a Secretaria de Saúde para acompanhar as ações da mesma e garantir a continuidade dos Serviços de aborto legal na cidade, bem como o pré e pós natal, incluindo protocolos de atendimento no tocante o atendimento a gestantes, parturientes e puérperas nas maternidade do SUS. Se sim, qual tem sido a orientação e o resultado desse diálogo.

2)        No tocante aos obstáculos que as mulheres enfrentam para procurar serviço, por conta da necessária quarentena, quais são as medidas que a SMDHC planeja para enfrentar a questão. A SMDHC tem dialogado com a SMADS para potencializar ações;

3)        Se existe previsão para abertura da Casa de Passagem situada na Zona Sul;

4)        Se as equipes que seguem trabalhando nos serviços sob a jurisdição desta Secretaria estão recebendo os EPIs, como álcool em gel, máscaras, luvas;

5)        Se a SMDHC tem estabelecido diálogo como a sociedade civil, movimento feminista-mulheres para incorporação das mulheres nas formulações de respostas à crise, como recomenda a ONU Mulheres;

6)        Se o mesmo tem sido feito em relação ao recém empossado Conselho Municipal de Políticas para as Mulheres;

Além disso, apresentei junto à bancada do PT, algumas recomendações a serem adotadas pela Prefeitura de São Paulo de imediato que respondem a alguns dos desafios que temos pela frente. São elas:

1 – A garantia de auxílio aluguel às mulheres em situação de violência.

2 – A abertura e ampliação dos espaços de acolhida e divulgação na rede de internet e grande impressa sobre os programas de proteção que estão em curso.